Coronavírus: medicamento pode evitar que pacientes precisem de respiradores

Coronavírus: medicamento pode evitar que pacientes precisem de respiradores

Um estudo feito por pesquisadores do Hospital Sírio-Libanês demonstrou resultados positivos, mas preliminares, com a utilização do medicamento anticoagulante heparina, no tratamento de pessoas infectadas pelo novo coronavírus (Covid-19). Caso o sucesso da substância seja comprovado, a terapia, quando iniciada precocemente, pode ajudar a evitar que os pacientes precisem de respiradores mecânicos.

A análise com o estudo foi publicada em um dos principais jornais de medicina do mundo, o British Medical Jornal (BMJ). A pesquisa aponta que, dos 27 pacientes que receberam o tratamento experimental, 25 já estão recuperados e dois permanecem hospitalizados.

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

Além de ser testado em pacientes no Hospital Sírio Libanês, desde o final de março, a terapia também foi aplicada em infectados que estão internados na rede municipal de São Paulo (SP), em pessoas com 39 e 96 anos. Em alguns dos casos, as pessoas que receberam o medicamento são diabéticas e cardíacas.

A descoberta

Segundo a coordenadora do estudo e pneumologista, Elnara Marcia Negri, a descoberta foi feita após patologistas identificarem, durante necropsias realizadas em vítimas da doença, pequenos coágulos nos vasos sanguíneos, em várias partes do corpo, ou seja, tromboses.

Com isso, os coágulos podem causar obstrução nas veias e artérias e impedir a circulação do oxigênio. Nesse sentido, o uso do anticoagulante pode ajudar a dissolver essas tromboses nos pulmões dos pacientes, que foram infectados pelo novo coronavírus.

"O que passamos a entender é que o vírus entra pelo epitélio respiratório (mucosa que se estende da cavidade nasal até os brônquios), agride-o e deixa os brônquios e os alvéolos com a membrana exposta, criando algo parecido com um machucado. Isso faz o corpo querer estancar a ferida. A resposta do organismo é a coagulação, entrando em estado de hipercoaguabilidade, que na verdade, não resolve o problema", disse a pneumologista, em entrevista publicada no portal da rádio Caçula FM.

De acordo com Elnara, ainda que preliminar, os resultados podem ser considerados promissores. Ela ainda explica que o medicamento poderá ser recomendado em casos de pacientes que têm sintomas mais graves, como a insuficiência respiratória, por exemplo. “Tivemos bons resultados com um grupo de pacientes que apresentava casos mais graves. Agora esperamos ter mais pacientes, pelo menos cerca de cem, e em mais centros [de saúde]. A ideia é fazer mesmo um guideline, ou seja, um manual de como usar um anticoagulante no tratamento da Covid-19", finalizou a pesquisadora.

Participe também: Grupo de WhatsApp para receber notícias farmacêuticas diariamente

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Atendimento

Atendimento de segunda a sexta-feira,
das 08:00 às 18:00 horas.

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 910, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Telefones:

(11) 2607-6688
(11) 2268-4286

 

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS