Farmacêuticos trans vencem o preconceito

Farmacêuticos trans vencem o preconceito

Em 29/01 foi comemorado o Dia Nacional da Visibilidade Trans no Brasil. A data celebra o respeito e a inclusão de transexuais e travestis que, infelizmente, ainda enfrentam muitos obstáculos na sociedade. Um deles, sem dúvida, é a inserção no mercado de trabalho. Nesse sentido, o setor farmacêutico é uma das áreas que tem acolhido e dado oportunidades para as pessoas trans.

Esse é o caso da farmacêutica, Jackeline dos Santos (foto), que em entrevista exclusiva à equipe de jornalismo do Portal do ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico contou que trabalha na Prefeitura Municipal de Jaboatão dos Guararapes (PE), e que, no passado, era técnica de enfermagem, mas trocou sua antiga profissão e se formou em Farmácia. 

“Acho muito gratificante ser farmacêutica, me sinto acolhida pelo setor. Antes, eu era da enfermagem, eu até pensei que poderia encontrar alguma resistência ao ir para a área de farmácia, mas não, não encontrei. Inclusive, me acho mais acolhida no setor farmacêutico do que eu era na enfermagem”, conta.

Participe tambémGrupo de WhatsApp para receber notícias farmacêuticas diariamente

A farmacêutica explica de que maneira se interessou pela profissão: “Como fui durante 19 anos técnica de enfermagem surgiu meu interesse pela área de Farmácia Hospitalar, eu gostei tanto que decidi fazer o curso de Farmácia, depois que me formei, eu me apaixonei e não quero deixar essa área nunca mais”.

Ela também explica que tenta usar seu exemplo de vida como um espelho para que outras mulheres trans possam se inspirar e lutar pela dignidade: “Tento dar o exemplo para que elas lutem, tentem terminar o ensino médio e fazer um curso superior. Mas, infelizmente, a sociedade exclui muito pessoas trans, elas são sempre rotuladas, isso faz com que elas percam o estímulo de estudar. No Brasil é tudo muito difícil nesse sentido”.

Jackeline continua: “Está muito enraizada na sociedade a ideia de que a pessoas trans ou vão ser cabeleireiros ou esteticistas, ou terão uma ‘vida fácil’, que de fácil não tem nada, então, a gente tenta plantar uma sementinha para que as pessoas amadureçam e vejam que todos somos capazes”.

Em um trecho no Facebook, a farmacêutica falou dos obstáculos que enfrentou para concluir sua graduação: “Só Deus e meus amigos sabem o quanto ralei, sofri e chorei para chegar até aqui. Por várias vezes, eu ia de casa para a faculdade a pé, ou ficava o dia inteiro com fome para ter o dinheiro da passagem de volta”.

Para a equipe de jornalismo do ICTQ, ela completou a história: “Para a gente se formar, precisa ter um estágio [em farmácia], mas eu tinha três empregos como técnica de enfermagem. Então, ou eu trabalhava, ou eu estudava. Mas, eu consegui terminar. Foi uma luta, quando fui fazer o estágio era R$ 515,00 que eu tinha para passar o mês inteiro, para comer, pagar o aluguel, às vezes, nem pagar o aluguel eu conseguia. Então, eu fazia até limpeza na casa de conhecidas para ter um teto. Não tenho vergonha nenhuma, mas venci, me formei e estou trabalhando”.

Superação

No entanto, nem tudo são rosas. Para exercer a profissão, o farmacêutico, Pietro Ribeiro, teve que enfrentar alguns obstáculos. “Eu encontrei algumas dificuldades, não vou citar o nome da empresa, mas teve uma situação em que eu estava pronto para trabalhar, fiz a entrevista, passei no processo seletivo, entretanto, quando fui levar a documentação, na época que eu ainda não tinha alterado minha identidade, eles viram que eu era um homem trans [pessoa que fez a transição do feminino para o masculino] e me deram mil desculpas, justificações, não me contrataram. Eu me senti muito mal, pensei, ‘poxa, estudei tanto, me dediquei tanto, mas será que vou ter que viver para agradar aos outros e não a mim mesmo?”’.

No entanto, o farmacêutico conta que seguiu em frente: “Superei! Hoje, trabalho no ramo do varejo, encontrei uma farmácia que me aceita, que cuida de mim, aliás, dos funcionários como um todo, por isso consigo trabalhar dando o meu melhor. Isso é muito importante”.

Ele também fala sobre a importância da representatividade: “Eu vejo que a inclusão de pessoas trans no setor farmacêutico está evoluindo, aos poucos, mas está. Apesar de existirem, ainda, alguns lugares que não estão prontos para lidar com a diversidade, em contrapartida, existem muitos que abrem as portas e nos dão uma oportunidade. Mas, eu gostaria de ver pessoas trans em outras áreas, como psicólogos, por exemplo. Enfim, as coisas estão andando, devagar, mas estão. Isso é muito bom”, afirma.

Por fim, Ribeiro declara seu amor pela profissão: “Eu escolhi ser farmacêutico porque gosto de dar o meu melhor para as pessoas, para o paciente, gosto de usar o meu conhecimento para cuidar deles. Quando decidi cursar Farmácia, quem me incentivou bastante foi meu pai, ele me disse, ‘faz Farmácia’, quando comecei o curso, eu me apaixonei”, encerra.

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Atendimento

Atendimento de segunda a sexta-feira,
das 08:00 às 18:00 horas.

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 910, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS