Acordo com Sinovac impediu divulgação de dados completos da Coronavac

Acordo com Sinovac impediu divulgação de dados completos da Coronavac

O contrato entre a chinesa Sinovac e o Instituto Butantan impediu a divulgação dos dados completos de eficácia da Coronavac, revelou a Folha. Estima-se que a taxa de eficácia da vacina contra a Covid-19 seja de cerca de 64%, menor que a divulgada pelo governo paulista, de 78% para casos leves.

Apesar do anúncio do resultado da Coronavac para prevenção em casos leves (que necessitam de algum auxílio médico), a maior lacuna nas informações reveladas pelo Butantan foi a eficácia que engloba também aqueles que não precisaram de assistência, mas que foram infectados.

De acordo com pessoas ligadas à pesquisa da vacina, a razão dessa ausência de informações completas é a proibição, pelo contrato que tem com a Sinovac, de o Butantan anunciar ao público qual é a taxa sem autorização da empresa chinesa, conforme apurou o jornal.

Em novembro, a CNN já havia levantado que no acordo entre Sinovac e Butantan há menções explícitas sobre a divulgação de dados. Segundo a emissora, no item 4.8.6 do termo, consta que “a Sinovac detém os direitos de propriedade intelectual e interesses da Sinovac na vacina e que os dados clínicos da Fase III abrangem os direitos de propriedade intelectual e interesses da Sinovac na vacina”.

Já em outra parte do acordo a ressalva é direta: “a menos que expressamente permitido por este acordo ou com o consentimento prévio escrito e expresso da Sinovac, o Butantan não irá manusear, utilizar, descartar, divulgar, para permitir que seja utilizado ou compartilhar com terceiros ou suas próprias filiadas (exceto com as autoridades regulatórias) o dossiê do produto de propriedade e fornecido pela Sinovac”, diz o texto, conforme a Folha.

publicidade inserida(https://www.maxmilhas.com.br)

Apesar das restrições, o diretor do Butantan, Dimas Tadeu Covas, apontou em coletiva de imprensa alguns dados aproximados relacionados a infecções pela Covid-19 detectadas durante a fase 3 do estudo da Coronavac no Brasil. Segundo ele, foram 218 infecções, sendo 160 no grupo placebo e pouco menos de 60 no grupo vacinado.

A partir desses dados, a Folha calculou uma eficácia de cerca de 64% na vacina, 14 pontos percentuais abaixo dos 78% de prevenção de casos leves e 14 pontos percentuais acima dos 50% da eficácia mínima exigida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Para chegar a esse número – precisamente 63,75% –, leva-se em conta 58 infecções no grupo vacinado e grupos (placebo e o que tomou a vacina) do mesmo tamanho.

Além da divulgação dos resultados do ensaio clínico da Coronavac na Indonésia (que mostrou 65% de eficácia), a crescente especulação sobre a real eficácia do imunizante e o prazo de análise por parte da Anvisa, a vencer já no próximo dia 18, podem ter contribuído para que a Sinovac concordasse com a antecipação da divulgação, dizem as fontes ouvidas pelo jornal.

Um dos motivos de a Sinovac ter segurado inicialmente o anúncio dos resultados brasileiros seria a discrepância em relação a resultados dos testes em outras partes do mundo, como na Turquia, onde a eficácia anunciada foi de 91,25% – apesar de o país ainda ter somente dados provisórios.

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

De acordo com os cientistas ouvidos pelo jornal, para essa diferença tem pelo menos dois componentes. O primeiro é a população de cada país, que está longe de ser homogênea. O segundo é intrínseco ao ensaio brasileiro.

Por aqui os voluntários eram profissionais de saúde, que sofriam uma exposição muito maior aos vírus. Nesse caso têm que ser considerados o número de encontros com possíveis fontes de infecção e a maior quantidade de vírus que chega no sistema respiratório dessas pessoas.

Seja como for, mesmo com uma eficácia geral mais baixa, quando comparada a outras vacinas, como a da Pfizer (95%) ou a russa Sputnik V (90%) – que ainda não teve dados da fase 3 disponibilizados para a comunidade científica avaliar –, especialistas afirmaram ao jornal que a Coronavac pode ser fundamental para conter as mortes por Covid-19 no País, tendo em vista o sucesso de 100% em evitar quadros graves nos testes.

Outra vantagem da Coronavac é a facilidade de armazenamento, em refrigeradores convencionais. Além disso, como a produção está sendo feita pelo Butantan, a logística de distribuição do imunizante também tende a ser facilitada.

Desde sexta (8/1), a Anvisa está analisando o pedido de uso emergencial da vacina. Ela tem dez dias para esse trabalho. Só depois disso haverá a divulgação dos dados e, por fim, a publicação dos resultados na forma de artigo científico. Segundo a Folha, o Butantan prometeu para hoje (12/1) divulgar a totalidade dos dados da vacina.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Atendimento

Atendimento de segunda a sexta-feira,
das 08:00 às 18:00 horas.

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 910, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS