Senado aprova projeto que autoriza quebra de patente de vacinas e medicamentos

Senado aprova projeto que autoriza quebra de patente de vacinas e medicamentos

Nesta quinta-feira (29/04), em meio a muito debate entre parlamentares, o Senado aprovou, por 55 votos a 19, o projeto de lei (PL) que permite a quebra de patentes de vacinas e medicamentos contra o coronavírus. Agora, o texto segue para a análise da Câmara dos Deputados antes de entrar em vigor no País.

De acordo com a CNN Brasil, apesar das tentativas de acordo, a liderança do Governo na Casa foi contra a aprovação do PL. Por outro lado, a maioria dos partidos deu autonomia aos parlamentares para decidirem seus votos.

O projeto tem a finalidade de facilitar o direito do Brasil em fabricar imunizantes contra a Covid-19. Para isso, permite a quebra temporária de patentes de vacinas, assim como também a de fabricação de testes de diagnóstico e medicamentos de eficácia comprovada no combate à doença.

Essas ações, segundo o projeto, poderão ser executadas enquanto vigorar o estado de emergência de saúde. O texto do PL é de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS).

Receba nossas notícias por e-mailCadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

O que muda com a quebra de patente temporária?

Se aprovado, o projeto poderá liberar a produção de imunizantes, medicamentos e insumos sem necessidade de observância dos direitos de propriedade industrial.

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS) cita nominalmente, em seu relatório, a quebra de patentes para a produção de vacinas contra a Covid-19 e suas variantes. Além disso, cita ainda a quebra de patentes dos seus ingredientes ativos e quaisquer insumos, invenções ou modelos de utilidade necessários à sua produção, e até mesmo o medicamento remdesivir.

Trad alterou o texto original e deixou claro no substitutivo que as negociações coletivas junto a outras nações e organismos internacionais caberão ao Executivo, que “deve continuar a enviar esforços de forma a viabilizar a cooperação internacional para possibilitar o acesso universal aos produtos farmacêuticos, vacinas e terapias necessários para o combate ao coronavírus”.

Com base no texto aprovado no Senado, os titulares das patentes deverão disponibilizar ao poder público todas as informações necessárias à efetiva reprodução dos objetos protegidos. E caberá ao Governo assegurar a proteção de todas as informações.

Além disso, o Governo deverá editar, no prazo de 30 dias a partir da publicação da lei, as regras a serem seguidas pelas empresas que irão fabricar as vacinas e remédios, após a quebra da patente.

publicidade inserida(https://www.ictq.com.br/pos-graduacao)

STF discute tempo de quebra de patente no Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) também está discutindo sobre patentes no Brasil. No entanto, os ministros avaliam uma possível redução no prazo de patentes estipulado na Lei de Propriedade Industrial (9.279/96).

Atualmente, esse prazo é de 15 a 20 anos, no entanto, pode superar duas décadas, pois o tempo é contado a partir da data do pedido feito ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), que pode levar anos para conceder a aprovação.

O STF iniciou a votação sobre o tema na última quarta-feira (28/04), o ministro Dias Toffoli argumentou que estender o prazo é inconstitucional. Contudo, não concluiu seu voto. O tema voltará a ser discutido em 05 de maio, quando Toffoli e os demais ministros darão os votos ao tema.

A farmacêutica industrial e professora da pós-graduação de Gestão da Qualidade e Auditoria em Processos Industriais do ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, Luciana Colli, explica que, entre consequências, se houver uma redução do tempo de patentes, as empresas detentoras de inovação, que trazem seus produtos ao Brasil, podem perder o interesse no mercado nacional.

“Se houver redução, muitas empresas não terão interesse de pesquisar aqui porque elas vão levar em consideração o custo da inovação, que em termos de medicamento é elevadíssimo. Para uma empresa disponibilizar recurso e pesquisa para inovar ela precisa de uma contrapartida, que é poder explorar o mercado com exclusividade por um tempo. Se esse tempo for aquém de 20 anos talvez essa conta não feche, então a empresa não terá interesse nesse mercado”, explica a professora.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente..

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Veja mais materias sobre:

Política Farmacêutica, coronavírus, Covid-19

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 910, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS