6 Desafios para os farmacêuticos que pretendem atuar na vacinação

CONTEÚDO PREMIADO: Registre seus dados e concorra a um iPhone 8

A alta competitividade na área farmacêutica e as constantes atualizações das legislações vêm trazendo inúmeras possibilidades de inovação ao setor – o que inclui a vacinação – e caberá aos farmacêuticos e aos estabelecimentos estarem preparados para surfar nessas novas ondas. O Censo Demográfico Farmacêutico realizado em 2017 pelo ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico – mostra que no Brasil existem mais de 89 mil farmácias, que poderão se adequar para ofertar o serviço de vacinação.

Com a aprovação da RDC nº 197 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), publicada no Diário Oficial da União (DOU) em 28 de dezembro de 2017, o serviço de imunização agora faz parte da realidade das farmácias e dos farmacêuticos clínicos, que atuarão na prestação desse serviço de saúde.

Os profissionais devem observar as regras para a prestação do serviço de vacinação que estão na Resolução nº 654 do Conselho Federal de Farmácia (CFF), publicada no DOU em 27 de fevereiro de 2018. É necessário também que os farmacêuticos busquem conhecimentos específicos para atuar na imunização, através de curso de formação complementar.

O farmacêutico que atua em uma das lojas da PanVel em São Paulo, Jauri Francisco de Siqueira Júnior, afirma que esse conjunto de legislações abriu caminho para que todos os meandros legais para a implantação desse serviço farmacêutico ocorressem a bom termo, elevando também o nível de qualidade das unidades de saúde que podem prestar o serviço no Brasil.

O ICTQ oferta o Programa de Formação e Habilitação de Farmacêuticos em Vacinação, de acordo com o que é estabelecido na legislação. O Programa tem duplo reconhecimento: do MEC (Ministério da Educação) e do CFF (Conselho Federal de Farmácia). É necessário observar que o Brasil tem apresentado avanços significativos com a ampliação da capilaridade do serviço de vacinação. O exemplo mais recente que reforça essa observação é que, antes a imunização se restringia apenas ao SUS e às clínicas particulares, agora se estende às farmácias e drogarias.

Siqueira Júnior conta que a esfera governamental esbarra, muitas vezes, nas questões orçamentárias e, em termos de epidemiologia, é necessário tomar decisões visando ao impacto populacional e o alcance de suas ações frente à população. “A imunização em farmácias surge, então, como uma importante maneira de aumentar a capilaridade e o acesso ao serviço”.

Farmácia passa a ser referência

É necessário ressaltar que o farmacêutico vai se deparar com diversos obstáculos. “Os desafios quebram os paradigmas atuais. A farmácia deixa de ser meramente provedora de produtos e passa a ser referência para oferecer serviços e o cuidado profissional”, afirma o farmacêutico da PanVel.

Para Siqueira Júnior, as farmácias e os farmacêuticos têm uma oportunidade de ouro nas mãos, pois esse é um serviço específico que já possui grande demanda interna e possibilidade de expansão e conscientização junto às faixas etárias que desconhecem ou ignoram, ou ainda têm preconceitos infundados relativos à imunização.

“Os farmacêuticos deverão se capacitar para lidar com o universo da imunização, epidemiologia, calendário vacinal do SUS e da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBIM), saúde pública, cadeia de frio, técnicas de aplicação de injetáveis, farmacologia de vacinas, imunologia básica, esquemas vacinais em diferentes faixas etárias, dentre tantos outros assuntos que permeiam esse interessante universo das vacinas”, afirma ele.

Já as farmácias precisam de infraestrutura mínima para a disponibilização do serviço, bem como as garantias de que toda a logística e cadeia de frio estejam preparadas para lidar com essa nova categoria de produtos farmacêuticos, muitas vezes, de alto valor agregado, segundo Siqueira Júnior, que complementa, dizendo que serão os farmacêuticos – profissionais de saúde mais acessíveis à população – que deverão lidar com os questionamentos frequentes, lembrando que suas respostas devem remeter à Medicina Baseada em Evidências.

Encare os desafios

O medo, a falta ou o excesso das informações podem causar pânico e receio social. A aposentada de 69 anos, Lecy de Oliveira, afirma ter temor de qualquer tipo de vacina. “Sempre tive muito receio, eu nunca tomei nem a vacina contra a gripe que sou obrigada a tomar depois dos meus 60 anos. Uma vez fui mordida por um cachorro na rua, tive que tomar a vacina antirrábica, tive medo, mas fui obrigada”, disse.

Ela continua: “Acredito que o medo seja por falta de informações específicas, nunca sabemos quais são os estudos realizados pelo governo e pelas empresas que fabricam as vacinas, nunca sabemos quais são os riscos e as reações. Eu morro de medo de qualquer vacina”, relata.

No ponto de vista da aposentada, os profissionais da saúde devem adotar uma abordagem mais rigorosa, baseada em evidências, a fim de fornecer uma avaliação equilibrada e objetiva dos riscos e benefícios da vacina, a indústria e o governo também. “A população é leiga e alguns não possuem acesso nenhum às informações e, por vezes, quando tem acesso, fica assustada, como aconteceu recentemente com os casos da febre amarela e das mortes relacionadas às reações da vacina H1N1”, declara Lecy.

Acompanhe os seis desafios mais importantes para os farmacêuticos que irão atuar com a vacinação:

1. Medo – Excesso de vacinas e desconfiança com suas possíveis reações colaterais são alguns dos motivos que levam muitas pessoas no País a decidir por não se vacinar. Essa resistência em não tomar a vacina por medo das diversas reações é recorrente. Há diversas críticas sobre o excesso de vacinas presentes nos calendários oficiais dos governos.

Além disso, muitos temem reações adversas às substâncias, que podem ser provocadas, em casos raros, pelos próprios agentes responsáveis pelas doenças. Ao paciente é necessário que o farmacêutico demonstre confiança, conhecimento e habilidade para aplicar a vacina, conforme prevê a Resolução nº 574/2013 do CFF, em seu Art. 2º que diz: “É atribuição do farmacêutico, na farmácia e drogaria, a dispensação de vacinas e a prestação do serviço de aplicação desses medicamentos”.

O farmacêutico tem que ser honesto com o paciente em relação ao desconforto causado no momento da aplicação e informar também as possíveis reações. É preciso estabelecer também um diálogo para dizer que fará de tudo o que estiver ao alcance para reduzir o desconforto no instante da vacinação. Após dizer isso, peça colaboração, pois, a ansiedade e o medo podem deixar o paciente inquieto, e isso só vai atrapalhar! Há posições recomendadas para deixar a musculatura relaxada. Informe, demonstrando e conferindo isso com o paciente. 

As atribuições clínicas do farmacêutico visam proporcionar cuidado ao paciente facilitando o acesso às vacinas, com o propósito de alcançar resultados definidos que melhorem a qualidade de vida do paciente.

2. Falta de informações – É necessário pesquisar sobre vacinação em vez de apenas atacar as determinações dos órgãos de saúde pública. É preciso saber os elementos das vacinas, esclarecer os prós e contras, pensar na imunidade coletiva e nas doenças já erradicadas por meio da vacinação, e que podem voltar. Os veículos de comunicação devem tomar muito cuidado com a informação que é publicada, pois as notícias sobre os surtos geram aglomerações nos postos de vacinação e nas clínicas, por vezes desnecessárias.

A Resolução nº 416/2004 do CFF, na seção I, no Art. 83 diz: “na aplicação dos medicamentos injetáveis não poderão existir dúvidas quanto à qualidade do produto a ser administrado e caso o medicamento apresentar características diferenciadas como cor, odor, turvação ou presença de corpo estranho no interior do medicamento, o mesmo não deverá ser administrado, devendo o profissional notificar os serviços de Vigilância Sanitária”.

Uma pesquisa encomendada pelo laboratório farmacêutico GSK, publicada em 2017, demonstra que 89% dos brasileiros reconhecem a importância da vacinação, mas um terço diz não saber bem quais as vacinas necessárias para a idade.

Fora os casos da vacina contra a gripe e a febre amarela, que contaram com adesão relativa em torno de 50%. Atualizações de doses de vacinas para as demais doenças são quase desconhecidas.

Ao farmacêutico cabe fazer indicações de profissionais de saúde para determinados encaminhamentos pois, as campanhas de imunização apresentaram nessa pesquisa taxa abaixo de 10%, então, o cidadão acaba rotulado como desinformado e deixa de contar com um importante aliado para a prevenção de doenças.

3. Esquecimento – Quando se fala de vacinação é importante lembrar que a população vive esquecida da importância dessa prevenção em saúde. O laboratório farmacêutico GSK encomendou um levantamento em novembro de 2017 que demonstrou que a grande maioria dos brasileiros com idade acima de 18 anos – um percentual que chega à casa dos 64% – não está em dia com a vacinação. Cerca de 53% não priorizam a imunização como uma forma eficaz de prevenção. O pensamento de muitos, ou 29% do total, é o de que a vacinação se torna menos importante à medida que se envelhece. Cabe ao farmacêutico lembrar seus pacientes sobre a importância de a vacina estar em dia. E isso pode ser feito de maneira simples: perguntando sobre o cartão de vacinação.

Segundo a Resolução nº 654/2018 do CFF, cabe ao farmacêutico registrar no cartão as informações referentes às vacinas aplicadas, no sistema de informação definido pelo Ministério da Saúde, no prontuário individual do usuário, e fornecer a declaração do serviço prestado contendo, ainda, as seguintes informações:

a) Nome da vacina;

b) Informações complementares, tais como nome do fabricante, número de lote e prazo de validade da vacina administrada;

c) Orientação farmacêutica quando couber;

d) Data, assinatura e identificação do farmacêutico responsável pelo serviço prestado, incluindo número de inscrição no Conselho Regional de Farmácia (CRF) da sua jurisdição;

e) Data da próxima dose, quando houver.

4. Mitos – Você provavelmente já ouviu falar de centenas de histórias sobre os malefícios da vacinação, que pessoas morreram por causa delas, que o amigo do vizinho passou mal etc. O resultado, deste e de outros problemas, como a falta de acesso às vacinas, provocou o ressurgimento de surtos de diversas doenças, até então tidas como erradicadas ou controladas.

Um bom exemplo disso é o mito de que o mercúrio presente nas vacinas causa autismo. O mercúrio é um dos componentes do Timerosal, o conservante mais utilizado em vacinas multidoses. Ele é empregado desde 1930 em concentrações muito baixas e os estudos mostram que não há risco para a saúde, pois é expelido rapidamente do organismo. De qualquer forma, o Timerosal já não faz parte da formulação de nenhuma vacina em apresentação monodose. Em 1998, foi publicado um artigo em que o autor afirmava ter encontrado relação entre a vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) e o autismo. Mais tarde, descobriu-se que ele havia recebido pagamento de escritórios de advocacia envolvidos com processos de indenização contra indústrias farmacêuticas. O autor foi criminalmente responsabilizado, teve o registro médico cassado e o artigo foi retirado dos arquivos da revista Lancet, onde fora publicado. Inúmeros estudos sérios têm sido conduzidos para verificar a relação entre a vacina e a doença e nenhum encontrou qualquer evidência. Um dos maiores foi divulgado em 2015 e avaliou 95.727 crianças nos Estados Unidos, entre 2001 e 2012. A análise dos dados mostrou que a vacinação com uma ou duas doses da tríplice viral, não estava associada com um risco aumentado de Transtorno do Espectro Autista (TEA) em qualquer idade. SAIBA MAIS:

Outro importante mito desvendado é o de que a vacina da gripe causa a doença. Na verdade, ela usa vírus inativado (“morto”) em sua composição, portanto, NÃO é possível que provoque a doença. É importante destacar que a função da vacina é prevenir. Sendo assim, se a pessoa que foi vacinada já estiver infectada, vai desenvolver a doença. Por essa razão é tão importante se vacinar antes do início da temporada da gripe. As reações adversas mais comuns após essa vacinação são: dor, vermelhidão e inchaço no local da aplicação. Febre baixa, dor de cabeça e muscular também podem acontecer.

Para lidar com estas suposições é necessário que o farmacêutico busque conhecimento e tenha um discurso científico afinado para argumentar com o paciente e convencê-lo de que a imunização é a melhor escolha.

5. Movimentos sociais contra as vacinas – Igualmente desafiador é o cenário atual frente à vacinação por parte de uma expressiva parcela populacional. Há um crescente movimento de pessoas que se posicionam firmemente contra as vacinas. Em 2014 surgiram, nas redes sociais, indivíduos que se reuniam para criticar as vacinas, como a do HPV. Um exemplo é o grupo “Sou contra a vacina HPV”, que passou de 400 para 3.000 membros entre março e dezembro de 2014 – e chegou perto das 4,7 mil curtidas do tópico que explica a mesma vacina.

Há também a decisão de alguns pais de não vacinar as crianças, o que é considerado uma atitude errônea e que coloca em risco, não apenas a própria criança, mas toda a população. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) vê esse posicionamento dos pais como “irresponsável”.

Cabe ao farmacêutico assegurar ao paciente de que as vacinas protegem a população contra doenças terríveis, capazes de causar sofrimento, sequelas e morte. Esse fato não pode ser refutado. Há 60 anos as vacinas têm se mostrado eficazes e seguras.

6. Escassez – No Brasil, o Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde do Brasil, criado em setembro de 1973 e institucionalizado pelo decreto nº 78.231, de 12 de agosto de 1976, é reconhecido como uma das iniciativas em saúde pública mais bem-sucedidas, e resulta do trabalho integrado das esferas de Governo Federal, Estadual e Municipal.

Entretanto, nos últimos anos, situações emergenciais epidemiológicas foram constatadas em diversos estados do Brasil, em torno de patologias como a gripe (H1N1), febre amarela, dentre outras, levando o sistema de imunização até então presente (esfera pública e privada) ao esgotamento e revelando a incapacidade anterior de lidar com a demanda sanitária.

Além disso, sabe-se que a esfera governamental muitas vezes esbarra nas questões orçamentárias e, em termos de epidemiologia, muitas vezes precisa tomar decisões visando o impacto populacional e o alcance de suas ações frente à população. A imunização em farmácias surge, então, como uma importante maneira de aumentar a capilaridade e acesso ao serviço.

Siqueira Junior enfatiza que todo medicamento (e vacinas são medicamentos, seja para a prevenção, recuperação, manutenção ou recuperação da saúde) possui riscos e benefícios atrelados, mas não se pode ignorar fatos como as milhares de doenças praticamente erradicadas e controladas por meio da imunização, com o passar das décadas.

É necessário que o farmacêutico seja um instrumento real e presente na propagação da assistência farmacêutica, para garantir e promover o acesso à vacinação. Outro benefício que este profissional pode garantir à população é com relação à atenção farmacêutica, ao tornar a função do farmacêutico uma prática mais humanística e contextualizada, demonstrando a importância do farmacêutico junto à construção de um novo modelo de atenção à saúde, possibilitando uma intervenção em busca da melhoria da qualidade de vida do paciente. Os farmacêuticos devem assumir sua parte de responsabilidade dentro do sistema de saúde em tudo que se refere à farmacoterapia e, por meio da atenção farmacêutica, responder à atual necessidade social. Assim, esse profissional tem a oportunidade de atuar na promoção do cuidado primário e da educação em saúde.

“Não podemos nos ausentar de nosso papel como educadores de saúde, e deixar de entender o quão ignorante (no sentido de falta de conhecimento geral sobre o assunto) a população em geral é em relação aos princípios da imunização. Não podemos nos eximir de nosso papel protagonista na saúde brasileira, frente a um povo amedrontado, que se sente usurpado e enganado mediante o cenário atual de corrupção”, fala ele.

O farmacêutico vai além e preconiza: “É com conhecimento, habilidade e atitude que nós vamos transformar, de vez, as farmácias brasileiras em verídicos estabelecimentos de saúde, com o farmacêutico como protagonista dessa transformação. Precisamos estar preparados, confiantes e cientes de que podemos fazer a diferença na saúde e bem-estar da população brasileira por conta deste novo serviço farmacêutico. Os farmacêuticos devem assumir com coragem o papel de educadores em saúde”, conclui Siqueira Júnior.

Curiosidades

Um estudo, publicado em 2017 pelo Instituto Qualibest, mostra que grande parte da população está convencida que para envelhecer com saúde é necessário adotar hábitos saudáveis como: praticar exercícios físicos regulares, manter uma alimentação equilibrada e possuir cuidados preventivos.

O estudo que envolveu 703 adultos, com 18 anos ou mais, revelou que 92% dos entrevistados têm medo de envelhecer e que ter problemas de saúde é o aspecto mais temido quando o assunto é maturidade. Contudo, a pesquisa também aponta que somente 43% deles praticam atividades físicas, 45% cuidam da saúde de forma preventiva com vacinas e 47% tem uma alimentação saudável.

É histórico o medo que as pessoas possuem de se vacinar. Um exemplo foi a Revolta da Vacina ocorrida na cidade do Rio de Janeiro entre os dias 10 e 16 de novembro de 1904. Ocorreram vários conflitos urbanos violentos entre populares e forças do Governo. A principal causa foi a campanha de vacinação obrigatória contra a varíola, realizada pelo Governo brasileiro e comandada pelo médico sanitarista, Oswaldo Cruz. A grande maioria da população, formada por pessoas pobres e desinformadas não conheciam o funcionamento de uma vacina e seus efeitos positivos. Logo, não queriam tomar a vacina.

Em 2014 a vacina contra HPV também causou grande repercussão social. Muitas famílias ficaram inseguras devido aos relatos de que não foram realizados estudos que comprovem a eficácia, ou apontem os efeitos colaterais da vacina. Junto a isso surgiram questionamentos com relação à disseminação da sexualização precoce entre as crianças, que cada vez mais cedo são expostas a assuntos que devem ser abordados com muita cautela para que não haja banalizações. Existiu ainda a argumentação por parte de algumas pessoas que a vacinação contra HPV iria induzir ao sexo sem proteção, por acharem que estarão imunes as doenças, se esquecendo dos outros possíveis contágios que são transmitidos sexualmente.

Tags: farmacêutica, profissão farmacêutica, farmácia clínica

Atendimento

Atendimento de segunda a sexta-feira,
das 08:00 às 18:00 horas.

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

  • (62) 99473-1495

 

 

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 910, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Telefones:

(11) 2607-6688
(11) 2268-4286

Fale conosco