Alerta: criança vai parar na UTI após ingerir solução nasal

Alerta: criança vai parar na UTI após ingerir solução nasal

A utilização de medicamentos sem orientação farmacêutica ou médica pode ser arriscada, sobretudo, quando o consumo ocorre de forma acidental. Um exemplo disso aconteceu com a pequena Valentina, de 2 anos e 3 meses, que foi parar na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) após ingerir uma solução nasal. O caso foi contado pela mãe da criança, Gabriela Cristina, em entrevista à revista Crescer.

"Ela não acordava, ficou sonolenta, teve hipotermia e os batimentos cardíacos caíram muito. Decidi compartilhar para alertar a todas as pessoas que têm crianças pequenas em casa", explicou a mãe em entrevista ao veículo.

Segundo Gabriela, ao perceber que havia algo diferente com a criança, ela correu direto a um hospital: "Sabia que algo estava errado e até pesquisei sobre hipotermia. Eu a troquei, enrolei em um cobertor e fui direto para o hospital. Chegando lá, infelizmente, fomos atendidos por um pediatra que jamais deveria estar exercendo essa profissão tão importante. Ele logo falou para mim que a minha filha estava apenas sentindo frio e que deveria agasalhá-la, ainda mais que a temperatura logo iria voltar. Insisti por exames, porém, ele disse que não seria necessário".

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

Gabriela conta que decidiu, então, buscar ajuda em outra unidade de saúde: "Avisei meu marido e levei ela até outro hospital. Chegando lá, a médica examinou Valentina e perguntou se ela poderia ter ingerido algum tipo de medicação. Afirmei que não, porém, a médica insistiu. Falou que aqueles sintomas pareciam ter sido causados por um remédio muito forte, uma solução nasal indicada para o tratamento de congestão nasal, tanto alérgica quanto inflamatória. Foi, então, que minha ficha caiu. Meu marido e eu realmente fazíamos uso dessa medicação. Nós sofremos com rinite e, por isso, usávamos uma solução à noite. Inclusive, deixávamos embaixo do nosso travesseiro para facilitar o uso", explica.

A mãe continua: "Esse medicamento é de usar no nariz, mas Valentina acabou tomando. Foi quando eu escutei da médica: 'Mãe, não estou querendo te assustar, porém, a última criança que eu atendi que havia ingerido essa medicação veio a óbito'. Naquela hora, meu corpo gelou. Senti meu mundo desmoronando. Minha filha estava irreconhecível: os olhinhos dela ficavam revirando, a temperatura em 33 graus e não acordava. Achei que iria perder minha tão sonhada princesinha", revela. 

Dispensação com responsabilidade

Nesse sentido, vale lembrar da importância da orientação farmacêutica na hora da dispensação do medicamento, pois, o farmacêutico é um profissional extremamente qualificado para orientar o paciente sobre os cuidados necessários para armazenagem e utilização de determinados fármacos.

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a ONG Criança Segura, algumas orientações para prevenir intoxicações por medicamentos são:

- Utilize medicamentos somente sob orientação médica [e do farmacêutico];

- Leia sempre as bulas e siga corretamente as instruções ao administrar os medicamentos às crianças [em caso de dúvidas, vale lembrar que um farmacêutico pode ajudar];

- Nunca se refira a um medicamento como ‘doce’, para não incentivar o consumo ou despertar a curiosidade [da criança];

- Mantenha o medicamento no recipiente original e nunca deixe comprimidos soltos;

- Após o uso, feche bem a embalagem. Dê preferência por produtos cujas embalagens possuam tampas de segurança;

- Guarde os medicamentos trancados, em lugar alto e fora de alcance das crianças.

publicidade inserida(https://www.contabilizei.com.br/abrir-empresa/sao-paulo/?utm_source=kwanko&utm_medium=parceiro&utm_campaign=SP_Custo_Zero&utm_content=banner_novembro)

Criança se recuperou

Após um período na UTI, a pequena Valentina se recuperou: "Entrei em contato com todos da família, pedi orações pela vida dela e fiquei ali, naquele quarto gelado, vendo minha filha naquela situação. De repente, ela levantou e vomitou um líquido transparente na quantidade do remédio que havia ingerido. Para os médicos, era impossível ser o remédio, mas foi ali que eu soube que Deus estava conosco. A partir daquele momento, ela começou a melhorar aos poucos, impressionando mesmo os médicos e enfermeiros. Passamos dois dias na UTI, mais um dia em observação e, graças a Deus, minha filha está ótima, sem nenhuma sequela. Agora, cuidados redobrados", afirmou a mãe.

Contudo, vale o alerta: no Brasil, as intoxicações e os envenenamentos correspondem à quinta causa de internação hospitalar por acidentes na infância, sendo que os medicamentos são os principais causadores, segundo informação publicada pela revista Crescer.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente.

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Atendimento

Atendimento de segunda a sexta-feira,
das 08:00 às 18:00 horas.

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 910, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS